segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Vida de Emigrante!


Olá amores!

Hoje trago-vos algo bem diferente, nada sobre moda, beleza ou futilidades desse género, provavelmente futilidades de outro género... Como vocês estão fartos de saber eu emigrei este ano, se me perguntarem se é esta a vida que eu queria, vou responder que é e não é! Passo a explicar: desde bem pequena que sempre sentia que não ía ficar para sempre a viver na minha Ilha e que queria conhecer o mundo, minha mãe diz que tenho alma de emigrante, talvez sim, talvez não.
A vida de emigrante não é fácil, podemos dizer que se ganha mais a nível monetário e temos maior puder de compra como nunca imaginei, mas perdemos tanto, ou pelo menos eu sinto isso. A verdade é que sempre que dizia que queria emigrar nunca pensei que fosse ser tão díficil para mim, mas a verdade é que deveria ter previsto que ía, afinal sou demasiado apegada à família e sou super esquisita para comer, assim que realmente estes três meses não foram de fácil adaptação.
Sinto falta da minha família, até das tontas discussões que havia por coisas tão parvas que só me frustravam mas que agora quando ligo para casa e oiço a brigarem por coisas tontas, fico com um sorriso na cara e dá-me saudades. Não há palavra tão grande de sentimento como esta: saudade!
Saudades da família, saudades da nossa comida, saudades dos abraços, saudades das discussões, saudades das coisas mais parvas que se possa imaginar, mas a saudade está sempre presente no meu dia a dia.
Agora perguntam-me se quero voltar à terra, claro que sim, mas continuo a querer esta vida de tortuosa saudade, ou seja, aqui estou a ter oportunidade de crescer, oportunidade de ajudar a minha família (algo que sempre quis), oportunidade de expandir o meu conhecimento, oportunidade de encontrar algo na minha área que que realmente dê valor ao trabalho (óbvio que nem sempre acontece, mas vale a pena tentar).
Perguntam-me se recomendo as pessoas/os jovens a emigrarem. A minha resposta é a seguinte: a vida de emigrante não é para todos, se no teu coração sabes que consegues aguentar as saudades porque tens um objectivo maior que esse sentimento, e realmente sabes que é isso que queres força, vai em frente, mas se achas que não consegues, que não é vida para ti, então segue o teu coração!
E então pareço que estou a falar e a contradizer-me em tudo, é difícil, nunca pensaste que seria assim, sentes saudades mas mesmo assim farias tudo novamente, não te entendo Catarina! É o que devem estar a pensar, certo?
Bem, sim esta vida não é como eu imaginei a nível de saudades e assim, pois quando imaginava, pensava não vai ser assim tão mau, e não é mas claro que as saudades batem sempre no nosso coração, mas a minha vontade de continuar aqui e aproveitar todas as oportunidades que esta nova etapa de vida me oferece é maior que a saudade e por essa razão é que digo só vem para esta vida quem está talhado para ela, porque há pessoas que não conseguem aguentar as saudades e desanimam logo no início da jornada e aí é que se vê se consegue ou não. Eu sei que ainda estou bem fresca nesta vida de emigrante mas acredito que a minha vontade é maior que a minha saudade, pois sei que tenho a força da minha família comigo, a força dos que já não estão comigo fisicamente e a força de vencer que sempre fez de mim a pessoa que sou!
Quero aproveitar para vos pedir um favor, deixem perguntas nos coemntários sobre dúvidas que tenham ou coisas que queiram saber sobre emigrar e assim para responder num vídeo.
Desculpem este texto enorme mas estava a sentir que tinha de escrever isto e porque não no blog que é o meu cantinho especial!?

Com amor,
Catarina <3

13 comentários:

  1. Olá Catarina, realmente a vida de emigrante não parece ser nada fácil e é algo que irei enfrentar daqui a pouco tempo. Como tu, também sou super apegada à familia (mais a minha mãe) e sei que a saudade vai bater forte e as lágrimas vão cair. Talvez posso dizer que uma ajudinha será a minha irmã que estará no mesmo lugar pra onde irei. Questiono se a mudança de clima e de tudo em redor se mexe connosco? visto que tiveste de fazer uma grande mudança de clima e isso. O que dizes?

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Força!

    Beijinhos | http://anetadaluisa.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  3. Como eu te compreendo! Apesar de não estar no estrangeiro, também me sinto "emigrante" já que tive de sair da ilha com 18 anos para vir para o continente estudar. Acho que, com o tempo torna-se mais fácil e as novas tecnologias, particularmente o skype, waht's up, etc tornam a nossa vida mais fácil, porque assim conseguimos estar sempre a comunicar com os nossos parentes. Acho que o pior mesmo é qundo alguém fica doente e sentes completamente a impotência de estar longe da família
    Por onde anda a Sofia?

    ResponderEliminar
  4. Eu até há pouco tempo quis emigrar... mas mudei de ideias. E por enquanto vou lutar estando aqui em Portugal, mas nunca se sabe o dia de amanhã mesmo :\
    Força com isso linda... Adorei conhecer o teu blog e já estou a seguir!
    Beijinho
    http://omundodajesse.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Pois, realmente não é fácil mas pensa que é uma boa aventura e tens sempre outra família a teu lado. :)
    Sempre que te sentires triste pensa que podes passear pela Lush e que eu me vou roer de inveja.

    ResponderEliminar
  6. Percebo que não seja nada fácil, eu nunca quis emigrar apesar de quase ter sido empurrada para tal por todos os lados mas mantive-me fiel ao que eu sempre achei. Eu não seria capaz de estar longe da minha família e amigos e escolhi talvez viver com menos e ser feliz do que viver infeliz. Para ti desejo muita força :) e um beijinho enorme!

    ResponderEliminar
  7. Já estive fora do país e acho que realmente a emigração não é para todos. Há coisas que aprendi que não compensavam: no meu caso, o dinheiro (e ser reconhecida na profissão) não compensou as saudades da família, do sol, da comida, da luz do meu país...caramba, só quem sai do país se apercebe que Portugal tem uma luz única. Beijinho e força.

    ResponderEliminar